Categoria: Uncategorized

O que faz o investidor americano David Blitzer com o FC Augsburg?

O que faz o investidor americano David Blitzer com o FC Augsburg?

As coisas estão geralmente bastante calmas no FC Augsburg – mas as últimas notícias causaram então interesse em todo o país no mundo do futebol: com David Blitzer, um investidor dos EUA vai juntar-se ao clube, que joga na Bundesliga. Os investidores privados da Suíça são também importantes nos mercados globais de investimento. O grande mundo financeiro está assim a entrar no ambiente de Augsburg, que até agora se tem caracterizado principalmente pela calma e coesão regional. Mas o que planeia Blitzer fazer com a FCA e como poderiam as estruturas e abordagens do clube mudar agora? Em seguida, encontrará tudo o que precisa de saber sobre o estrondo na Fuggerstadt.

A empresa Blitzer investe 5,5 milhões de euros

O registo comercial mostra que a Bolt Football Holdings investiu 5,5 milhões de euros no FC Augsburg. Em troca, a empresa recebe 45 por cento das acções que existem em torno da FCA numa sociedade anónima cindida. Por detrás da Bolt Football Holdings está David Blitzer, que se torna assim um parceiro de negócios de Klaus Hofmann, o presidente do clube. A Hofmann Investoren GmbH detém 99,4% das acções da FC Augsburg GmbH und Co KGaA. O departamento profissional da Fuggerstädter, que tem jogado na primeira liga alemã durante 10 anos – apesar de um orçamento na sua maioria bastante baixo – tem sido transformado nesta empresa. A Bolt Football Holdings juntou-se agora à Hofmann’s GmbH como accionista. A empresa com sede nos EUA detém actualmente 45% destas acções, sendo o próprio Hofmann 30,56 por cento. O resto das acções está dividido entre o accionista Thilo Sautter (4,07 por cento) e a Projekt Green GmbH (20,37 por cento). Estes últimos reduziram as suas acções para permitir à Blitzer e à sua empresa a entrada no mercado. Dois accionistas deixaram a empresa completamente no decurso deste processo: MAJA Vermögensverwaltungsgesellschaft e o Grupo MHM.

Quem é David Blitzer?

O contexto do acordo é que Blitzer e Hofmann conhecem-se há cerca de 20 anos. Blitzer, um cidadão americano, cresceu em Scotch Plains, New Jersey. Licenciou-se na Scotch Plains-Fanwood High School em 1987 e depois estudou na Universidade da Pennsylvania. Licenciou-se magna cum laude. Após a graduação, aceitou um cargo no Grupo Blackstone em 1991 e tornou-se Director Executivo Sénior & Chefe de Oportunidades Tácticas na área metropolitana da cidade de Ney York. Posteriormente, tornou-se um empresário de sucesso que revelou uma fraqueza pelo desporto.

Blitzer é um co-proprietário de vários clubes em vários desportos. No futebol, tem participações minoritárias no Crystal Palace, um clube da Premier League em Inglaterra. Na Bélgica, o Waasland-Beveren, clube da primeira divisão, é detido a 97% pelo Bolt Group desde Setembro de 2020. Também tem participações em dois outros clubes desportivos de duas das maiores ligas do mundo: O jogador de 52 anos detém acções na Philadelphia 76ers da liga americana de basquetebol NBA e na New Jersey Devils da liga de hóquei no gelo NHL, nos EUA.

O que irá mudar no conselho de supervisão da FCA?

Há mudanças no conselho de supervisão da KGaA em torno do FC Augsburg, na sequência da entrada da Blitzer. Marcus Höfl, conhecido como gerente de Franz Beckenbauer, deixa o conselho fiscal, uma vez que o seu Grupo MHM já não tem quaisquer acções. O mesmo se aplica à Detlef Diesel, que parte com a MAJA Vermögensverwaltungsgesellschaft. No entanto, os cargos dos dois membros do conselho fiscal não serão preenchidos. Blitzer não será atribuído um lugar no conselho fiscal ou em qualquer outro lugar na empresa sediada em Augsburg. O mesmo se aplica ao Grupo Bolt, que no futuro será constituído apenas por três pessoas: O Presidente Stefan Frederking, Thilo Sautter e Jan-Ingwer Callsen-Bracker, um antigo profissional do FC Augsburg.

Porque é que a Blitzer investe no FC Augsburg?

Uma pergunta a que só o próprio Blitzer pode responder, mas que ainda não comentou. As suas intenções, no entanto, são bastante óbvias. Para o empresário, o investimento na FCA é uma grande oportunidade para desempenhar um papel no futebol alemão – o que é geralmente muito difícil de aceder para os investidores. Com o seu Grupo Bolt, ele aproveita todas as oportunidades para gerar mais importância no desporto.

O FCA é também visto como um clube ambicioso e atraente que atraiu a atenção no passado com bons negócios e um lugar seguro na Bundesliga. Um bom investimento para o futuro. A sua amizade com Hofmann deveria ter-lhe dado bons conhecimentos sobre o clube. A última razão para Blitzer pode ser simplesmente o seu hobby de investir em vários clubes desportivos nos EUA e na Europa.

O que é que a entrada da Blitzer traz à FCA?

Para o FC Augsburg, a entrada da Blitzer traz também uma ou duas vantagens. Acima de tudo, a Fuggerstädter pode esperar maiores e novas oportunidades económicas que andam de mãos dadas com uma empresa tão globalmente activa. Uma palavra-chave aqui é internacionalização. Marketing e patrocínio no mercado americano é difícil para pequenos clubes como a FCA, mas a Blitzer e a sua empresa vão abrir portas. A troca de know-how com clubes profissionais norte-americanos é também uma oportunidade para o clube. Especialmente nos EUA, a FCA quis fazer sentir a sua presença durante muito tempo. Uma viagem aos EUA foi planeada para o Verão de 2020 como parte dos preparativos. No entanto, foi cancelada devido à pandemia de Corona. Em tempos financeiramente difíceis, o acordo também traz segurança a um clube que tem sempre de gerir bem. O clube atravessou a crise da Corona sem ajuda estatal, o que é notável tendo em conta os 35 milhões de euros de receitas perdidas. Entretanto, a chegada de Blitzer não representa uma grande mudança, uma vez que o equilíbrio de poder permanece inalterado. Este é certamente também um ponto importante para o clube, que representa a tradição.

Source: Kicker 

Photo by hoch3media on Unsplash

O que é a Nova Indústria Alimentar?

O que é a Nova Indústria Alimentar?

O termo “nova indústria alimentar” refere-se à parte da indústria alimentar que lida com novos tipos de produtos alimentares. Exemplos importantes são os substitutos de carne vegana ou alimentos à base de insectos. As inovações e as novas tendências não se limitam à nossa alimentação. Nos últimos anos, o que acaba nas nossas placas tem vindo a tornar-se cada vez mais importante. Os alimentos já não são apenas alimentos. Alimentos amigos do clima, alimentos veganos e vegetarianos e substitutos de carne estão a desempenhar um papel cada vez mais importante no mundo de hoje. A nova indústria alimentar está a tornar-se cada vez mais importante, estabelecendo novas tendências, lidando com a alimentação. Muitas empresas alimentares na Alemanha estão também a adaptar-se a esta nova indústria alimentar. A comida do futuro entrou em cena há muitos anos.

A Nova Indústria Alimentar enfrenta um grande desafio

Nos últimos anos, os temas das alterações climáticas e da sustentabilidade assumiram um papel cada vez maior na vida. A sustentabilidade e o clima são também actores importantes na alimentação que não devem ser ignorados. A indústria da carne, em particular, tem um elevado impacto no ambiente. Não admira que a nova indústria alimentar tenha saltado para este comboio, tentando encontrar uma solução que seja não só sustentável para o clima mas também saudável para as pessoas. Os alimentos já não se trata apenas de satisfazer a fome. É sobre o saudável
Trata-se de manter o corpo saudável, fortalecê-lo e viver uma vida tão saudável quanto possível.

Totalmente de acordo com a tendência – estilo de vida vegan

Os veganos estão actualmente a viver uma tendência que é mais do que apenas um estilo de vida. E a nova indústria alimentar está também a seguir esta tendência. Ao renunciar à carne, o ambiente pode ser ajudado, o sofrimento dos animais pode ser reduzido. A Alemanha, em particular, foi inspirada por esta nova tendência. Em nenhum outro país europeu a comida vegana é tão utilizada como na Alemanha.
Mas não é só na Alemanha que a tendência vegana está a decolar. Mais de mil milhões de pessoas em todo o mundo já vivem vegetarianas, querem fazer a sua parte. Devido a um elevado consumo de carne, o ambiente é poluído com massas de fertilizantes e gases tóxicos que já não consegue suportar. É tempo de as pessoas mudarem a sua maneira de pensar, de apoiarem o ambiente alterando a sua dieta. Se quiser ter um impacto positivo no clima, não deve apenas passar sem carros. A nova indústria alimentar também dá um enorme contributo para isto.

Os substitutos de carne desempenham um papel de liderança

 

A Nova Indústria Alimentar está a levar a sério a protecção ambiental. Longe da carne convencional, em direcção a substitutos de carne saborosos. Com opções de tofu, quorn e lupino, vegan e vegetariano para o prazer sem carne já foram descobertas, aguçando o apetite por mais. Os grelhados e a torrefacção deixaram há muito de ser a reserva de carne. As opções sem carne também se tornaram cada vez mais populares nos últimos anos. A nova geração de alimentos está a captar as tendências sem carne. O principal objectivo é substituir, em grande medida, o peixe e a carne. No futuro, o enfoque será nos alimentos ricos em proteínas que fornecem ao corpo tudo o que ele necessita.

Insectos na placa? Utopia ou brevemente realidade?

As massas de gases venenosos e as quantidades de fertilizantes que são produzidas pela indústria da carne já não podem ser absorvidas pelo ambiente em breve. São necessárias novas inovações, novas formas de alimentação. Mesmo que possa parecer um pouco estranho neste momento, a nova indústria alimentar já tem insectos na sua agenda. A grande vantagem de uma dieta contendo insectos é sobretudo que as proteínas de que o organismo necessita podem ser fornecidas em quantidades suficientes. As quintas de insectos deixaram há muito de ser uma imagem de filmes de ficção científica. Já há discussões sobre se a indústria da carne irá reduzir a favor das explorações de insectos.

A qualidade também é importante para Novos Alimentos

Muitos consumidores tornam-se um pouco cépticos quando se trata da produção de alimentos sustentáveis. Na maioria dos casos, a produção é industrial, e é por isso que muitos acreditam que a sustentabilidade pode ser comprometida. Naturalmente, existem também fabricantes de alimentos novos e vegetarianos que actuam como exemplos negativos. Mas esta não é a regra. Qualquer pessoa que decida comer comida vegan deve, portanto, efectuar sempre um controlo de qualidade e colocar a comida, a sua produção e a sua origem através dos seus passos.

EmTech Alemanha – são apresentadas novas tendências

A nova indústria alimentar está a crescer. Numerosos peritos e start-ups já se reuniram na EmTech Alemanha para desenvolver as tendências mais recentes e mais sustentáveis. O que estará no prato amanhã precisa de ser amplamente discutido e planeado hoje. Porque a New Food também precisa de um tempo de preparação para que tudo possa ser implementado de acordo com o planeado. O futuro dos alimentos desempenha um papel importante na EmTech Alemanha. Entre outras coisas, os peritos também trocarão ideias sobre as possibilidades de mudar a produção alimentar. A forma como esta produção está actualmente estruturada, não pode continuar por muito mais tempo. São necessárias mudanças inovadoras para satisfazer as exigências.

Novos alimentos estão a ganhar popularidade nos EUA

Durante muito tempo, os EUA foram conhecidos pelo seu consumo de carne enormemente elevado. A agricultura industrial, em particular, atraiu publicidade negativa durante muitos anos. A tecnologia enzimática e microbiana encontrou agora o seu caminho para os EUA. A GEA, com sede na Dinamarca, conseguiu estabelecer o seu primeiro mas importante pé nos EUA com uma grande encomenda. Em 2023, a produção de alimentos com proteínas de origem vegetal terá início no Nebraska. Não só na Europa, mas também nos EUA, a procura de alimentos sustentáveis com um saldo ambiental pendente está a aumentar.

Nós somos o que comemos. Nos últimos anos, já não é suficiente que os alimentos encham o prato. Está a ser dada atenção à sustentabilidade, à protecção ambiental e ao bem-estar animal. Isto torna ainda mais importante que a nova indústria alimentar se destaque cada vez mais, e que se aperceba de novas tendências. A alimentação do futuro terá de mudar. A agricultura industrial não será sustentável a esta escala. O ambiente está a ser poluído a tal ponto que é necessário repensar a questão alimentar. Cada vez mais pessoas se voltam para os novos alimentos que são vegetarianos e sem carne. Esta tendência irá expandir-se, serão criadas novas opções alimentares. Os produtos à base de plantas contendo proteínas determinarão em breve a nossa vida quotidiana – e isso é uma coisa boa. Porque com as escolhas alimentares certas e o apoio da nova indústria alimentar, o passo certo pode definitivamente ser dado no sentido da sustentabilidade, do bem-estar animal e do alívio ambiental.

Source: EmTech 

Photo by Jannis Brandt on Unsplash

 

 

 

 

 

 

O que é que faz a empresa de cobrança Ionity?

O que é que faz a empresa de cobrança Ionity?

 O que é que a solidão faz?

O objectivo da Ionity era ter 400 dos chamados parques de cobrança em funcionamento até ao final do ano passado. A Ionity é uma empresa eléctrica emergente na Alemanha. Contudo, a empresa conjunta fundada pela BMW, Ford, Daimler e Volkswagen para a criação de estações de carregamento rápido reconheceu rapidamente alguns obstáculos. Até à data, apenas 336 estações de carregamento estão activamente em funcionamento. Ainda não está claro o que irá acontecer após a primeira fase de construção. Tendo em conta o aumento das vendas de automóveis eléctricos, a Ionity está a procurar continuar a expandir significativamente a sua rede de carregamento. Os fabricantes por detrás da empresa comum, que foi fundada em 2017, também já considerariam um maior financiamento para a empresa. O objectivo é evitar longas filas de espera nas estações de carregamento, aumentando o número de estações de carregamento eléctricas disponíveis. Isto tem como pano de fundo não dissuadir mais os potenciais compradores de veículos eléctricos. Os accionistas da Ionity também relataram uma estratégia de crescimento que inclui uma infra-estrutura de tarifação de alto desempenho em toda a Europa. “Oportunidades de investimento adicionais estão a ser discutidas”, continua numa entrevista com o CEO da Ionity, Michael Hajesch.

Hyundai como parceiro

A Hyundai Motor Group, que inclui as marcas Hyundai e Kia, tem sido parceira da Ionity desde 2020. Até agora, diz-se que cada parceiro contribuiu com cerca de 200 milhões de euros para a empresa. O financiamento adicional destina-se principalmente a permitir a instalação de novas estações de carregamento rápido nas cidades e em estradas nacionais menos frequentadas. Até à data, a Ionity tem-se concentrado principalmente nas auto-estradas congestionadas e só instalou as suas próprias estações de carregamento em cidades seleccionadas.

Requisitos legais

As vendas de automóveis eléctricos estão a aumentar na maioria dos países europeus, mas uma infra-estrutura de tarifação mais extensa é imperativa para penetrar no mercado em geral. O desenvolvimento atrasado das infra-estruturas de carregamento na UE está a pôr em risco a rentabilidade dos carros eléctricos, afirma o chefe da BMW Oliver Zipse, que é também chefe da associação de fabricantes europeus ACEA. Ele acredita que os políticos devem agir rapidamente e estabelecer objectivos vinculativos para os seus estados membros para a expansão das infra-estruturas de tarifação.

Ionidade como fornecedor de prémios

Com o projecto e a empresa Ionity, respectivamente, os fabricantes participantes estão a seguir uma abordagem premium; o kilowatt hora (kWh) já custou 79 cêntimos desde 2020. Outros fornecedores dentro da UE são significativamente mais baratos, mas a Ionity quer manter o seu preço actual – alegadamente por razões financeiras, mas provavelmente também para atrair clientes com ofertas especiais no futuro. Além disso, há muita coisa a acontecer no mercado. Há meses que correm rumores de que a Audi e a Porsche estão a planear a sua própria rede de cobrança com serviços premium adicionais para os seus clientes, que poderão ser concorrentes da Ionity num futuro próximo. Nem todos os participantes da Ionity pensam que esta é uma boa ideia. Muitos acreditam que mais redes de carregamento fechadas, tais como as utilizadas pelo pioneiro dos automóveis electrónicos Tesla, são desnecessárias e tornam o mercado desnecessariamente caro. Polestar, a sub-marca de automóveis eléctricos da Volvo, saiu recentemente claramente contra as suas próprias estações de carregamento ou estações de carregamento privadas.

Retrato da empresa Ionity

A empresa comum Ionity, opera uma rede internacional de carregamento de veículos eléctricos ao longo das auto-estradas europeias. Em 2017, um grupo de fabricantes de automóveis da Alemanha fundou a Ionity com o objectivo de integrar a mobilidade eléctrica para veículos de longo curso nas suas futuras linhas de produtos. A primeira fase de expansão de 400 espaços para a rede de carregamento de alta potência, onde numerosos veículos podem ser carregados em estações de carregamento com uma potência de carregamento até 350 kW, deverá estar efectivamente concluída até ao final de 2020. Actualmente, a expansão é de cerca de 80%.

História

Em 2016, os principais fabricantes alemães, juntamente com a empresa Ford, anunciaram que iriam construir uma rede europeia para carregar veículos eléctricos. A distância média entre as estações de carregamento nos percursos definidos nunca deve exceder 120 quilómetros. A Comissão Europeia aprovou a criação de uma empresa comum em Abril de 2017. O Grupo BMW, Daimler AG, Ford Motor Company e o Grupo Volkswagen estiveram envolvidos na fundação. Mais tarde, todo o Grupo Hyundai Motor aderiu ao empreendimento. A Shell e a Renault também apresentaram propostas no total de 500 milhões de euros como parte da sua procura de novos parceiros.

De onde vem o nome Ionity?

O nome da empresa foi revelado em Novembro de 2017. O nome é composto pelos termos Unidade e Ion. O objectivo declarado é construir e operar uma rede de estações de carga rápida de alta capacidade para veículos eléctricos ao longo dos principais corredores de transporte europeus. A sede da Ionity está localizada em Munique. Além disso, foi criada uma filial com escritórios em Oslo. A ionidade acredita firmemente na implementação da electromobilidade. E ainda mais directamente na electromobilidade sem restrições. Ionity quer que todos possam viajar com um veículo eléctrico. Tão naturalmente como é possível hoje com um carro a gasolina. As estações de alcance ou de carregamento não devem continuar a ser um problema. De acordo com a Ionity, a liberdade de conduzir também deve ser garantida para veículos eléctricos em toda a UE.

Source: Ionity

Photo by CHUTTERSNAP on Unsplash

Pandion, promotor de projectos com sede em Colónia, vende escritório de desenvolvimento de projectos em Munique

Pandion, promotor de projectos com sede em Colónia, vende escritório de desenvolvimento de projectos em Munique

A gestora de investimentos alemã Union Investment está a comprar um escritório de 44.700 m2 de desenvolvimento em Munique ao promotor do projecto Pandion. Pandion é um dos mais importantes promotores de projectos na Alemanha. A conclusão do projecto está agendada para 2024. O projecto acolherá 1.500 empregos. O espaço do escritório já está arrendado ao Instituto Alemão de Patentes há 15 anos. De acordo com a empresa de análise Thomas Daily, o preço de compra é de cerca de 600 milhões de euros. A propriedade do escritório está localizada no distrito de Werksviertel, a leste, e fica nas imediações da estação ferroviária de Ostbahnhof. O projecto do escritório de Munique é também impressionante em termos de sustentabilidade: possui a certificação DGNB Gold e foi galardoado com o Wired Score Gold.

PANDION AG: Líder no desenvolvimento de projectos de Colónia

O desenvolvimento do projecto de escritório em grande volume foi desenvolvido pela Pandion. A empresa com 200 empregados de Colónia é uma das mais activas promotoras de projectos alemães. O foco está nas cidades de Berlim, Bona, Dusseldorf, Mainz, Munique e na região de Estugarda. O desenvolvimento é levado a cabo nas categorias residencial e comercial. Um projecto residencial exemplar da Pandion é “PANDION MIDTOWN” em Berlim-Friedrichshain.

No sector dos escritórios, PANDION está a estabelecer novos padrões: com projectos inovadores, os chamados OFFICEHOMEs devem ser concebidos. Outros projectos estão localizados em Berlim, por exemplo, como o PANDION OFFICEHOME Ostkreuz ou em Stuttgart o PANDION OFFICEHOME Am Pragsattel. O volume de vendas do Pandion atingiu agora 5 mil milhões de euros. A empresa tem sido gerida por Reinhold Knodel desde 2002.

Comprador da propriedade de 600 milhões de euros: Union Investment

Como já mencionado, o imóvel está a ser adquirido pela “Union Asset Management Holding AG”. Este é um dos principais gestores de investimentos alemães. O principal accionista por detrás da casa de investimento é o Banco DZ. A Union Investment gere activos de mais de 385 mil milhões de euros. Uma área de investimento importante é a imobiliária, que é investida em fundos.

Quelle: Immobilienmanager

Photo by Philipp Bachhuber on Unsplash