Qual é a história da empresa de pagamento Worldline?

Qual é a história da empresa de pagamento Worldline?

No sector dos serviços de pagamentos e transacções financeiras, o grupo francês Worldline é agora o líder de mercado na Europa e o 4º no mundo. Como é que isto se concretizou? Como é que é o crescimento desta empresa ao longo dos anos?

Os primeiros anos com mérito na Carte Bleue

A Worldline começou com o nome Sligos em 1972 e está fortemente ligada ao aparecimento do Carte Bleue, o clássico cartão de débito francês das décadas seguintes. Foi a fusão da Cegos Informatique (que existe desde 1962) e da Sliga (a empresa de processamento de dados do Crédit Lyonnais desde 1970) numa nova empresa de pagamentos, ainda controlada por um dos maiores bancos franceses, o Crédit Lyonnais. O Landesbank de França orientou o Sligos no desenvolvimento dos processos de pagamento para a Carte Bleue, e não muito depois, em 1975, o Sligos estava a processar 2,5 milhões de transacções de pagamento por ano. Em 1980, estes tinham subido para 30 milhões por ano; o cartão bancário tinha-se tornado amplamente aceite. Nos anos 80, Sligos capitalizou o desenvolvimento do microchip e introduziu transacções de pagamento por cartão “inteligente” que utilizavam números de pins para autorização, dando início ao declínio gradual do processo que envolvia a leitura da banda magnética e uma assinatura manual. Até ao final da década, tinham sido emitidos 50 milhões de cartões bancários do tipo nacional “Carte Bleue”. Em princípio, isto marcou a aceitação a nível nacional de um meio de pagamento electrónico em França. A França estava na vanguarda da popularização dos cartões inteligentes na Europa. Mas foi apenas em 2003 que Cartes Bleues ganhou uma utilização para além das fronteiras nacionais com o alinhamento com a norma internacional EMV. Em 2010, desapareceram a favor do Visa.

Expansão para o estrangeiro e a fusão com a Axime para formar a Atos

Nos anos 90, Sligos (posteriormente Worldline) começou a expandir-se para além das fronteiras de França, adquirindo a empresa britânica Signet em 1991. Houve outras aquisições na Alemanha (Grupo Marben), Itália e Espanha até meados dos anos 90. Durante um período de reestruturação e venda de subdivisões, como a da produção de cartões inteligentes, o próximo grande acontecimento na história da Sligos ocorreu quando, por sugestão da sua concorrente Axime, se fundiu com esta última em 1996. Sob o seu antigo nome Sodinforg (antes de 1993), Axime tinha-se tornado o terceiro maior fabricante francês de sistemas de pagamento por cartão inteligente. A Axime também tinha visto um aumento constante dos pagamentos electrónicos através da aquisição de outras empresas semelhantes à Sligos, mas isso não terá interesse aqui. A Axime fez um nome próprio especialmente no sector da bolsa com software e sistemas electrónicos. Após a fusão, Sligos e Axime operaram sob o nome de Atos a partir de Setembro de 1997.

Com o nome Atos para o topo do continente

A fusão foi imediatamente seguida de uma nova reorganização, com a criação de quatro divisões chave: Serviços, Multimédia, Outsourcing e Integração de Sistemas. As divisões que não cabiam nestas quatro divisões foram despojadas. Estas incluíam empresas de venda de hardware informático, marketing directo, desenvolvimento de software para interconexão de redes. A Sesam (Itália) foi adquirida, e outra grande fusão transformou a Atos Origin em Atos Origin após a aquisição da Origin (proveniente da Royal Philips Electronics) em 2000. Agora o grupo poderia afirmar ser o número 3 entre todas as empresas de TI na Europa, com um volume de negócios anual de 2,8 mil milhões de euros nessa altura. Nessa altura, havia uma tendência para combinar a integração de sistemas com serviços de consultoria. Em 2002, a KPMG Consulting, com as suas actividades no Reino Unido e nos Países Baixos, foi integrada no grupo. Um acordo importante nos Países Baixos no mesmo ano foi a aquisição de quase todas as operações de TI da KPN, pelo equivalente a um bilião de euros. No final de 2003, a Atos Origin tomou posse da SchlumbergerSema, o principal fornecedor de serviços de TI para a indústria petrolífera. Isto seria uma porta aberta para penetrar no mercado chinês, uma vez que a SchlumbergerSema trouxe consigo importantes contratos de apoio, nomeadamente com seis dos dez bancos chineses existentes que emitiram cartões de crédito. Nesta base, a Atos Origin planeou expandir-se ainda mais na China e quadruplicar as suas operações naquele país até 2006. Em 2004, o nome Worldline apareceu pela primeira vez quando a Atos criou uma nova divisão para os seus pagamentos e serviços em linha, chamada Atos Worldline.

Atos Worldline cresce até à autonomia

Duas empresas belgas passaram a ser propriedade da Atos Worldline em 2006 – a Banksys e a BCC. O primeiro era responsável pela segurança dos pagamentos electrónicos na Bélgica, o segundo regulamentava os sistemas de pagamento para Visa e MasterCard na Bélgica. Este negócio teve um volume de negócios de 309 milhões de euros. O director-geral Bernard Bourigeaud, que tinha estado ao leme da Atos desde os dias do Axime, entregou as rédeas no Outono de 2007 a Philippe Germond, que ocupou o cargo até 2008, quando abriu caminho para o antigo CEO da Atos, Thierry Breton (até 2019, actualmente Comissário Europeu para o Mercado Interno). Da Índia, a Atos Worldwide recebeu a Venture Infotek, que trata dos processos de pagamento entre comerciantes, bancos e a administração daquele país, por 100 milhões de euros em 2010. No ano seguinte, a divisão de serviços TI da Siemens juntou-se à Atos Worldline, seguida em 2012 pela Quality Equipment, uma empresa holandesa de pagamentos electrónicos. Em 2013, Thierry Breton considerou a Worldline tão importante que lhe foi dada mais autonomia dentro da Atos, enquanto que a empresa-mãe Atos Origin permaneceu 100% accionista desta filial spin-off Worldline.

Desacoplamento do Atos e fases finais de crescimento

Os esforços de constante expansão continuaram sob o último nome: mais uma vez uma empresa holandesa foi alvo de uma aquisição; a Equens aderiu à Worldline em Novembro de 2015, mesmo que no primeiro passo apenas pouco menos de 64% da nova equensWorldline fosse propriedade da própria Worldline. No Verão de 2017, a Digital River World Payments da Suécia entrou na posse dos franceses de Bezons, sede da Worldline nos arredores de Paris, por 37 milhões de dólares. Depois, o primeiro Data Baltics da Lituânia foi absorvido por 73 milhões de euros. No entanto, estas aquisições empalideceram antes da posterior aquisição de SIX Payment Services, o ramo de serviços de pagamento da bolsa suíça, que valia 2,3 mil milhões de euros para a Worldline. Esta transacção em Maio de 2018 terá impulsionado as receitas da Worldline em 30%. No ano seguinte, a Worldline tornou-se totalmente independente do grupo mãe Atos, cuja participação caiu para 27%, através de uma remodelação da sua participação. As últimas aquisições importantes foram Ingenico, líder mundial no fabrico de dispositivos para pagamentos electrónicos (Fevereiro de 2020) e o fornecedor de serviços de pagamento em linha da Europa de Leste GoPay (Abril de 2020). A análise do stock da Worldline também mostra isto. O actual CEO Gilles Grapinet tem tentado, desde Maio de 2020, estabelecer uma aliança entre os principais grupos de fornecedores europeus de serviços de pagamento digital, formando a organização de cúpula EDPIA, da qual se tornou também o presidente fundador. Actualmente, as actividades da Worldline dividem-se em Merchant Services, Terminals Solutions Services, Financial Services e Mobility e-Transactional Services. Em 2018, os Serviços Financeiros representavam pouco mais de 42% das receitas, quase metade.

Source: Worldline 
Photo by Jonas Leupe on Unsplash

Comments are closed.